Informação Técnica

Processo de fabrico


07032011176

A alma de aço

A alma de aço é executada a partir de chapas de aço de qualidade superior, sendo estas adquiridas sob a forma de rolo, todas elas passam por uma inspecção antes de entrar na linha de montagem.

Depois de livres de todos os possíveis irregularidades. Este rolo é posicionado numa máquina tuneladora, que tem as características de nivelar, rebarbar, soldar e cortar o tubo de chapa, apenas com um funcionário especializado.

Seguidamente, este tubo de aço, assim como as boquilhas, são colocadas num berço rotativo onde através de duas torres de soldadura automáticas é executada a soldadura, com o mínimo de porosidade.

De seguida, são aplicados os líquidos penetrantes, quer na ligação em espiral da chapa, quer no topo de acoplamento das boquilhas. Este ensaio revela apenas os poros cuja resistência mecânica é mais reduzida, de forma a se revelar, aqueles com uma resistência mecânica mais elevada será necessário submeter este tubo ao ensaio de estanqueidade, que é executado se seguida. Tanto as boquilhas, como a chapa de aço passam por uma inspecção obrigatória dimensional.

A armaduras

As geratrizes e as espiras, são constituídas por aços pré-seleccionados e inspeccionados de primeira qualidade. Estes são cortados, dobrados e soldados de forma mecanizada e sempre com o acompanhamento de um funcionário especializado. Sempre que é finalizada uma armadura, esta é inspeccionada por um grupo de dois funcionários, afim da detecção de possíveis defeitos de soldadura.

O tubo

A alma de aço é colocada em posição vertical, e é betonada interior e exteriormente, com o auxílio de um molde fixo. O tubo permanecerá, nesta posição até o betão atingir a resistência mínima necessária que permita o seu deslocamento, que com o nosso sistema de transporte é de 3 horas. Estes serão mantidos na vertical num estaleiro até atingir os 15 dias de cura, e dai partirem para o acabamento e serem expedidos. Na finalização do tubo, estes são novamente inspeccionados macroscopicamente, a fim de descobrir possíveis falhas na concepção ou aberturas de fendas por fissuração do betão.

 

Os Materiais


Cimento

O tipo de cimento utilizado é o denominado de Portland, do tipo CEM II/A-L 42,5R GR. Nos casos em que a percentagem de sulfatos, expresso em SO4, exceda 400 mg/l na água, ou 3000 mg/kg no terreno deverá recorrer-se a cimentos resistentes a sulfatos, que se designam como cimentos SR. Se a percentagem de sulfatos, expresso em SO4, excederem os 600 mg/l na água, ou 1200 mg/kg no terreno, é indispensável aplicar no tubo uma protecção adicional à base de pintura betuminosa à base de epoxi com uma concentração de 0,3 kg/m2.

Agregados

A natureza dos agregados, a sua preparação e granulometria, são tais que garantem a adequada resistência e durabilidade do betão. O estudo para a escolha dos agregados para a constituição do betão cumpre com as normas NP EN 933-1 2000, NP EN 1097-6 2000, EN NP 933-3 2000, NP EN 933-4 2002, NP EN 1097-5 2002 e NP EN 1097-3 2000. 

Água

As águas, tanto a usada na amassadura como na cura do betão dos tubos são as caracterizadas com aceitáveis na prática, com os parâmetros descritos na norma NP EN 1008 2003. 

Betão

As composições dos betões usados para os tubos de betão armado com alma de aço, são estudadas de forma a garantir-se a impermeabilidade, resistência e durabilidade exigidas, segundo os ensaios ao betão fresco pelas normas NP EN 206 – 1: 2007. Os betões endurecidos pelas normas: NP EN 12390-1 2003, NP EN 12390-2 2003, NP EN 12390-3 2003 e NP EN 12390-6 2003. Limite do teor de cloretos contidos no betão, pela norma NP EN 639 2000. De forma usual, o betão utilizado para o fabrico dos nossos tubos, pertence à classe C35/45, com classe de exposição XC4 (superfícies de betão sujeitas a contacto com água, com períodos cíclicos de secos a molhados, segundo o Eurocódigo 2 – Parte 1-1 ). 

Chapa de aço para a alma

A chapa usada para a fabricação das almas dos tubos de betão armado, é composta por um aço dúctil e de espessura uniforme (sendo compreendida entre 1,5mm e 5mm, consoante as acções em causa). A título informativo, definir-se-á como tipo S-235 JR, segundo a norma NP EN 10025 1993.

Armaduras

As armaduras passivas são formadas por fios de aço rugoso, no que diz respeito às espiras, e liso relativamente às directrizes, ou malhas electrosoldadas, se o caso assim o permitir. O aço em questão, é do tipo A500, com diâmetros compreendidos entre 8, 10 e 12 mm. Entre espiras, poderá existir um espaçamento entre 30mm e 200mm. Relativamente ao número de directrizes, são aconselhadas usarem-se 12, 18 ou 36 por tubo dependendo do número de espiras da armadura.

Fibras

A adição de fibras de polipropileno serve de adjuvante de forma a evitar a fendilhação do betão, conferindo num aumento substancial na resistência à tracção do betão.

 

Dimensionamento


PA030027

Para efeito de dimensionamento, este é executado a partir do nosso gabinete de engenharia, com verificação de recurso ao programa de calculo automático de acordo com as normas EN 639, EN 641 e EN 642.

Ler mais >>